A Família que nasceu com a pele azul e virou lenda nos EUA

O mundo é feito de pessoas diferentes e únicas com variados tons de pele, credos e culturas. Mas existem alguns casos raros em que as diferenças deixam qualquer um de queixo caído, como a família Fugate e sua incrível pele, geneticamente, azul.

O Caso da estranha família Blue Fugate

blue famile

Por volta de 1820 o órfão francês chamado Martin Fugate imigrou para o Leste do Kentucky com o objetivo de reivindicar uma concessão de terras nas margens de Troublesome Creek.

 Martin possuía um gene recessivo muito raro que causava methemoglobinemia, uma condição onde o sangue, ao invés de ser vermelho, possui o tom amarronzado, dificultando a oxigenação das células e órgãos do corpo.

 Assim as pessoas que sofriam desta condição genética tinham a pele e lábios azulados devido a cianose.

 Curiosamente a esposa de Martin Fugate, a jovem Elizabeth Smith, também carregava este gene recessivo raro fazendo com que 4 dos 7 filhos do casal apresentassem a pele nitidamente azulada, apesar dela mesma possuir a pele branca.

A família se tornou parte da lenda local e ficaram conhecidos como os “Blue Fugates” ou “Kentucky Blues”, e sua linhagem familiar existiu no leste do estado por cerca de 200 anos.

A Familia azul viva em uma região isolada, principalmente devido a discriminação que sofriam.

As pessoas do local os achavam assustadores e por não saberem explicar as causas da cor azul da pele, optavam por se afastar.

Desta forma, não era incomum que os membros da família se relacionassem entre si, o que causou inúmeros casamento consanguíneos.

Desvendando o mistério

red blood cells 3188223 1920

Entretanto em 1960 a hematologista Madison Cawein III foi contatada por dois membros da família Fugate com o desejo de descobrir o porquê desta característica incomum que vem assombrando a família durante gerações.

Como resultado, a hematologista retirou amostras de sangue e assim descobriu que era marrom e não vermelho como deveria.

Além disso a especialista começou a mapear a árvore genealógica dos Fugate na esperança de descobrir como iniciou o fenômeno.

Curiosamente Cawein soube de um caso semelhante entre povos nativos do Alasca, caso documentado por um médico do serviço público de saúde chamado E.M.Scott.

Conforme o médico a ausência de uma enzima especifica chamada Diaphorase nos glóbulos vermelhos resultou nesta rara condição de sangue marrom e pele azul.

Sendo que a ausência desta enzima é determinada pela presença de um gene recessivo específico.

Inegavelmente os casamentos consanguíneos colaboraram para que o gene recessivo permanecesse cada vez mais presente nos membros da família, causando a methemoglobinemia.

O Último Blue Fugate

arvore genealogica

Fugates of Troublesome Creek (geni.com)

Todavia, após a descoberta ter sido transmitida à família, seus membros decidiram sair da reclusão e se espalharam pelos Estados Unidos.

Eventualmente novos casamentos foram ocorrendo e genes inéditos introduzidos na família, diluindo a presença do gene recessivo.

Entretanto em 1975 nasceu o último Blue Fugate que se tem registro. Benjamin Stacy, nasceu com a aparência azulada o que causou um grande susto na esquipe médica responsável pelo parto.

Contudo, a avó do menino explicou a rara condição presente na família a gerações o que tranquilizou os médicos.

 Assim após exames detalhados foi constato que o bebê era uma criança saudável.

Além disso, aos poucos a sua pele foi adquirindo a tonalidade normal, ficando azulada somente em dias de muito frio.  

Você também pode se interessar por:

Da Realidade Para a Ficção

livro

A civilização humana está repleta de fatos históricos que se transformaram em lenda no decorrer do tempo.

A saga da família Fugate, marcada pela estranha característica de nascer com a pele azul, não foi diferente.

Então quando o caso chegou até a escritora Kim Michele Richardson, a saga que virou lenda no Kentucky, foi transformada em um livro chamado “The Book Woman of Troublesome Creek“, ou “A mulher do Livro de Troublesome Creek”, publicado em 2019.

Inegavelmente o romance é composto por duas histórias baseadas em fatos verdadeiros que ocorreram no leste do estado do Kentucky. Sendo um deles a saga da família Fugate.

Ainda que seja um romance de ficção apenas baseado na história real da família de pele azul americana, vale a pena conferir o trabalho da autora que soube falar a respeito da condição genética rara, de forma clara, simples e interessante.

Créditos de imagem: Bing Images e Pixabay

Comentários
Carregando...