Cães e gatos podem contrair o vírus COVID-19 (coronavírus)?

O coronavírus tem infectado pessoas do mundo inteiro e não bastasse o pânico que a propagação da doença tem causado, é possível que cães e gatos também possam vir a se infectar.

Em 28 de fevereiro, o cão de um paciente com coronavírus em Hong Kong foi testado como “fraco positivo” para o coronavírus, também conhecido como COVID-19. Em uma declaração do Departamento de Agricultura, Pescas e Conservação (AFCD) do território, um porta-voz do governo disse que o cão não apresentava “nenhum sintoma relevante” e estava em quarentena. Naturalmente, o ocorrido trouxe a dúvida para os donos de animais do mundo inteiro: podem os cães e gatos pegar o coronavírus?

Diante disso, na China, para se aproveitar de tal situação, máscaras para pets têm sido adquiridas por seus donos para proteger seus animais de estimação de um possível contágio.

Cachorro de máscara

O chefe de medicina veterinária da Modern Animal em Los Angeles, destacou que os coronavírus são de uma família de vírus que contém diversas cepas. Uma cepa, é claro, é o COVID-19 atual e a outra é a SARS, que causou uma epidemia em 2003. Embora não esteja claro se o cão em Hong Kong tenha coronavírus, existem cepas de coronavírus que afetam cães filhotes.

De fato, a doença tende a ser leve e autolimitada, mas como os próprios coronavírus são capazes de sofrer mutações rápidas, é necessário estar sempre à procura de evidências de doenças causadas por novas cepas desse vírus.

Apesar de o cão em Hong Kong ter testado para um “fraco positivo” para o COVID-19, o caso de infecção não é confirmado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) pois não existem evidências de tal fato. Além disso, também não existe nenhuma evidência de que cães e gatos, possam vir a transmitir o COVID-19 para os humanos.

Segundo o funcionário do governo, “o AFCD não tem evidências de que animais de estimação possam ser infectados pelo vírus COVID-19 ou podem ser uma fonte de infecção para as pessoas” e que mais testes serão feitos “para confirmar se o cão realmente foi infectado com o vírus ou isso é resultado de contaminação ambiental “. Portanto, não está claro neste momento se este cão em Hong Kong tem COVID-19 e se ele pode contrair a cepa do coronavírus.

“Como o cão vive com um paciente com COVID-19, o potencial é significativo para o resultado do teste ter sido positivo, já que o cão pode pegar o vírus do ambiente com o nariz”, diz Long. Ela ressalta que o fato de o cão não apresentar sintomas é um bom sinal.

Ainda assim, recomenda-se que os donos de animais se lembrem de boas práticas de higiene e sempre lavem bem as mãos depois de interagir com os animais. Lavar bem as mãos por 20 segundos, ensaboando as mãos com água e sabão, é a melhor maneira de se manter seguro.

 

Conheça 4 doenças transmitidas por pets

Tratados como membros da família, fazemos de tudo para que nossos pets possam ter do melhor. Muito próximos a nós, abraçamos, beijamos e até dormimos com eles. Para aproveitar todo esse carinho que temos por eles, e eles por nós, é preciso estar atendo a saúde deles, pois algumas doenças são transmissíveis a nós.

Conhecidas como zoonoses, a transmissão acontece por contato com o pelo, saliva, urina ou fezes do pet contaminado. Porém, pode ser evitado, com alguns cuidados e o tratamento adequado.

Além de banhos periódicos, é necessário manter a limpeza do ambiente aonde o pet circula, mas principalmente ir regularmente ao veterinário, para que a carteira de vacinação de seu pet esteja sempre em dia e você e seu pet se protejam das 4 principais doenças transmitidas pelos animais domésticos.

 

Giardíase

A Giardíase é uma das principais verminoses transmitidas por animais domésticos. Sua contaminação se dá através do consumo de alimentos ou água contaminada pelos ovos do protozoário Giárdia spp. Além da água e dos alimentos, estes ovos também podem ser encontrados nos pelos dos animais.

 

Tratamento

O diagnóstico é feito a partir de exames de fezes e assim que identificado, o tratamento deve ser iniciado o quanto antes. O tratamento é um pouco longo, porém eficaz.

 

Prevenção

Entre os cuidados que se deve ter para proteger seu pet e você de uma contaminação, temos que:

  • Higienizar o ambiente aonde o animal fica ou se alimenta;
  • Vermifugar regularmente seu animal de estimação;
  • Higienização das mãos sempre que interagir com seu pet.

 

Toxoplasmose

Toxoplasma Gondii é o nome do protozoário que causa a doença que fica depositado nas fezes dos felinos contaminados. Muito grave para gestantes, pode causar danos irreversíveis ao feto e provocar o óbito de pessoas com baixa imunidade.

 

Tratamento

Apesar de muito perigosa, é uma doença que regride naturalmente para a cura em pessoas cujo sistema imunológico esteja saudável. Já para pessoas imunodeprimidas, o tratamento é feito a partir de medicamentos específicos, sendo que para gestantes, requer um acompanhamento mais próximo para evitar que a doença seja transmitida ao feto.

 

Prevenção

Para o animal não contrair o protozoário, o principal cuidado é minimizar o seu acesso à rua e permitir uma alimentação exclusivamente de ração. Já para os humanos, é preciso evitar o contato com as fezes dos gatos, a higienização correta de alimentos, além de evitar o consumo de carnes mal passada

Você também pode gostar:

 

Leishmaniose

O protozoário do gênero leishimania é o causador da doença que pode ser fatal aos seres humanos. O animal é contagiado quando o mosquito-palha contaminado o pica ou quando um mosquito-palha não contaminado pica um animal já infectado e depois pica o homem, transmitindo o protozoário.

 

Tratamento

Apesar do tratamento, não existe um tratamento da Leishmaniose para cães, tendo um índice de morte de 90%. Já para humanos, é possível tratar a doença utilizando medicações específicas.

 

Prevenção

O uso de coleiras repelentes é o melhor meio de prevenir que o mosquito se para picar o animal.

 

Raiva

A raiva é uma das mais graves zoonoses, por ser uma infecção viral que ataca o sistema nervoso, podendo causar inflamação do cérebro, levando o indivíduo a óbito. Sua transmissão acontece pela mordida ou lambida do animal contaminado.

Cachorro em tratamento

Tratamento

O tratamento da raiva ainda não foi comprovado, pois seu nível de mortalidade é próximo de 100%. Através da vacinação preventiva, alguns animais se curam logo que foram expostos ao vírus, sendo que outros, são submetidos a tratamentos mais complexos a fim de evitar o óbito.

 

Prevenção

É inevitável manter a carteira de vacinação em dia. Além disso, evitar que seus pets tenham contato com animais de rua são a melhor maneira de prevenir o contágio.

Crédito imagem: pxhere – getty images

Curioso por mais matérias como esta? Navegue pelo site do Mundo do Curioso ou acesse nossas redes sociais no Facebook e Twitter.

Comentários
Carregando...